A Argentina realiza uma troca histórica da dívida, preparando o terreno para a libertação econômica

Em uma medida ousada do governo do presidente libertário Javier Milei, a Argentina trocou US$ 50,3 bilhões em dívidas para aliviar as pressões fiscais e se preparar para suspender os controles cambiais.
A Argentina Realiza Uma Troca Histórica Da Dívida, Preparando O Terreno Para A Libertação Econômica
Argentina Undertakes Historic Debt Swap Setting Stage For Economic Liberation

Esse esforço ambicioso, liderado pelo Ministério da Economia sob a orientação do ex-aficionado de Wall Street, Luis Caputo, tem como objetivo aliviar o estresse fiscal e facilitar o caminho para o plano do presidente Javier Milei de desmantelar os controles cambiais de longa data no decorrer do ano.

A missão de Caputo de eliminar o déficit fiscal da Argentina e livrar o governo de sua dependência da impressão de dinheiro é clara. Os analistas consideram a reestruturação da dívida como um passo fundamental para controlar a inflação galopante do país e aliviar as tensões da taxa de câmbio que atualmente impedem a remoção das restrições monetárias impostas por administrações anteriores. Esses controles têm sido um gargalo significativo para os investimentos, atrelando o peso a cerca de 830 por dólar americano, distorcendo a dinâmica econômica.

A troca, que converte os títulos com vencimento neste ano por aqueles com vencimento entre 2025 e 2028, sinaliza uma virada estratégica. “Isso dará ao governo muito mais espaço para respirar em questões financeiras”, observou Salvador Vitelli, da consultoria Romano Group.

Além disso, em um movimento para mitigar os passivos do banco central em termos reais, o aliado de Caputo e chefe do banco central, Santiago Bausili, anunciou um corte na taxa de juros de referência de 100% para 80%.

Apesar de estar enfrentando uma alta inflacionária de 276,2% em fevereiro, a Argentina mostra sinais de desaceleração da taxa mensal, superando as expectativas dos economistas.

O governo de Milei contraiu significativamente a base monetária desde que assumiu o cargo, interrompendo a pressão sobre a criação de dinheiro e sugerindo uma estratégia mais ampla para estabilizar a economia em meio a uma contração prevista de 2,8%.

Com mais de 70% da dívida elegível para o swap em poder de entidades públicas e uma participação “relativamente boa” do setor privado sem as garantias usuais de recompra, a Argentina está intensificando os esforços para drenar o excesso de liquidez. Essa abordagem está alinhada com a demanda prevista por dólares após a remoção do controle da moeda, mas depende do reforço das reservas cambiais ou da obtenção de um empréstimo do FMI para estabilizar as expectativas em relação ao peso.

Essa semana decisiva nas finanças argentinas não apenas ressalta um impulso conjunto em direção à normalização econômica, mas também destaca os desafios diferenciados de navegar em uma transição para longe de políticas monetárias restritivas.

Para os investidores de capital de risco e fundadores que observam o cenário econômico global, as últimas ações da Argentina oferecem um estudo de caso sobre as complexidades da reforma financeira e o potencial de revitalização do mercado.

Scaling a startup or scouting for your next deal?
We help you get there faster.