– O procurador-geral do Brasil, Jorge Messias, pediu uma “regulamentação urgente” das plataformas de mídia social após um confronto com o proprietário do X, Elon Musk.

  • Musk ameaçou desobedecer a ordens judiciais que exigiam a remoção de determinados perfis no X e pediu a renúncia ou o impeachment do juiz do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.
  • Os perfis em questão provavelmente estão vinculados a movimentos de extrema direita, que encontraram uma forte presença no X e em outras plataformas de mídia social.

    O procurador-geral do Brasil, Jorge Messias, exigiu “regulamentação urgente” dos sites de mídia social depois que Elon Musk, proprietário do X (antigo Twitter), ameaçou desobedecer a uma ordem judicial que proibia determinados perfis em sua plataforma e pediu que um juiz do Supremo Tribunal Federal “renunciasse ou sofresse impeachment”

    O conflito começou quando a equipe de assuntos governamentais globais do X publicou que havia sido “forçada por decisões judiciais a bloquear determinadas contas populares no Brasil”, sem saber os motivos das ordens de bloqueio. Musk sugeriu que as ordens vieram de Alexandre De Moraes, um juiz do Supremo Tribunal Federal que tem sido um defensor vocal da repressão ao conteúdo antidemocrático on-line, especialmente após os tumultos de 8 de janeiro de 2021 em Brasília.

    Musk prometeu “publicar tudo o que foi solicitado por [De Moraes] e como essas solicitações violam a lei brasileira”, ecoando os pontos de discussão da extrema direita brasileira, que há muito tempo acusa De Moraes e o Supremo Tribunal Federal de censura. Em resposta, o legislador Orlando Silva anunciou planos para propor uma legislação que estabeleça um “regime de responsabilidades para essas plataformas digitais”

    Os perfis em questão provavelmente estão ligados a movimentos de extrema direita, que encontraram terreno fértil no X e em outras plataformas de mídia social. De Moraes é amplamente considerado como tendo desempenhado um papel na proteção da democracia brasileira durante a eleição presidencial de 2022, quando o então presidente Jair Bolsonaro estava espalhando alegações infundadas sobre a integridade do sistema eleitoral.

    A extensão da ameaça à democracia brasileira em 2022 foi destacada por uma investigação policial em fevereiro, que alegou que Bolsonaro, em conjunto com vários oficiais militares, considerou uma intervenção armada para impedir que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumisse o cargo.

    Como as plataformas de mídia social enfrentam uma pressão cada vez maior para cumprir as novas leis em países como a Índia e a Turquia, os críticos argumentam que essas regras podem ser abusadas pelos líderes dos países para silenciar dissidentes e ativistas. Apesar de defender regularmente os ideais de liberdade de expressão, Musk já foi criticado por atender às exigências de censura de vários governos.