O financiamento, parte da Lei de Chips e Ciência de 2022, será destinado à construção de novas instalações para a Intel no Arizona, Ohio, Novo México e Oregon. Isso se alinha à agenda do presidente Biden para revitalizar a fabricação dos EUA em setores essenciais, incluindo semicondutores.

Espera-se que o subsídio de US$ 8,5 bilhões leve à criação de 30.000 empregos no setor de chips. A Secretária de Comércio, Gina Raimondo, declarou que esse financiamento ajudará os EUA a atingir sua meta de garantir que 20% dos chips mais avançados do mundo sejam fabricados internamente até o final da década.

O CEO da Intel, Pat Gelsinger, tem sido um defensor da transferência da produção de chips para os EUA após décadas de subinvestimento. O novo financiamento apoiará principalmente o desenvolvimento do processo de fabricação 18A da Intel, que representa a etapa final do plano de Gelsinger de desenvolver cinco desses nós em quatro anos.

Esse movimento estratégico ocorre no momento em que os EUA buscam reduzir sua dependência de um pequeno número de fábricas de semicondutores na Ásia, o que Raimondo descreveu como uma situação insustentável do ponto de vista econômico e de segurança nacional.

O anúncio do financiamento também coincide com os esforços do presidente Biden para aumentar seus índices de aprovação econômica antes da eleição presidencial de 2024, contrastando seu histórico de criação de empregos com o de seu antecessor.

A Microsoft confirmou que estará entre os primeiros novos clientes 18A da Intel.